Daily stories

A vida de um agente multifacetado

Archive for the 'Devaneio' Category

Vi Veri Veniversum Vivus Vici

“Atrevo fazer tudo o que me possa tornar um Homem; Quem ousa fazer mais nada é.” (Macbeth 1.7.47-48) Ó vida malvada, trazes água no teu bico, sempre, sempre, sempre. Ó vida aziaga, trazes dor, tanta quanta a que eu ouso sentir. Ó vida maravilhosa, abre-me portas para o céu, deixa-me sair deste inferno, recuperar desta […]

Como se encontra alguém que não quer ser encontrado?

– Espera-se que mude de ideias… – O que não vai acontecer… – Definitivamente… – E então? – Deixa lá… – Desistes? – Nunca! – Mas sabes que não vai acontecer… – Sim, mas nunca vou desistir. Vou esperar. Tenho esperança que um dia haja brilho nos seus olhos e volte a sorrir. Pode ser […]

A estupidez de um ser que talvez não o seja

Isto tudo começa com a minha vinda a este vil mundo, seguida das minhas deslocações por entre este, que, em conjunto com as minhas vivências me foram moldando e acabaram por me transformar neste ser pútrido, inolvidável, muito devido à sua capacidade de irritar as pessoas em menos de 3 segundos, as bombardear com os […]

Devaneios – O artista reflecte sobre a sua morte

Sobrevivo sem os seus beijos, mas sem o seu toque, o seu aroma, o seu sorriso, o som da sua voz, os seus caracóis envolvendo os meus dedos… Tudo se complica. É quase uma condição sine qua non para a minha sobrevivência. Contudo estou a lutar para que tal seja possível. Sendo que tal é […]

Devaneios – O artista revela-se

Oh! E a loucura que se me penetra na minha pele, atravessando-me de lés a lés e insistindo para que eu me moa todo enquanto respiro, que faz com que tudo à minha volta gire enquanto a desejo, que permite que execute tamanhas façanhas, tão doces e tão belas quanto perigosas e cruéis podem ser. […]

Devaneios – A morte de um artista da escrita fodido pelo mundo

Neste mundo frenético, incansável, louco e moribundo, há valores que se elevam e falam tão mais alto, no entanto, muitas vezes, esses valores não passam de miragens criadas, esperadas, desejadas, não pela maioria, mas sim pela minoria que acredita que esses valores ainda existem. Valores como o amor, a fidelidade, a confiança, a compaixão, entre […]